O aumentos dos preços está deixando a prática de comer em casa mais cara

ANÚNCIO
O aumentos dos preços está deixando a prática de comer em casa mais cara

Os preços dos alimentos aumentaram mais desde 1974, quando a inflação de dois dígitos se tornou uma preocupação nacional. Mas a inflação não é uma preocupação desta vez, pois os preços de quase tudo estão mergulhando.

Novos números de inflação divulgados terça-feira pelo Departamento do Trabalho oferecem uma janela sobre como os consumidores estão lidando na era COVID-19. E o ponto principal é que estamos comendo mais – e pagando mais por muita comida – à medida que compramos mais em nossos supermercados locais.

ANÚNCIO

No geral, os preços ao consumidor caíram 0,8% no mês passado – a queda mais acentuada desde a Grande Recessão em 2008. Mas os preços dos alimentos no supermercado subiram 2,6% – o maior salto em quase 50 anos.

O preço do macarrão e do arroz subiu 2,5% em abril. Os preços dos hambúrgueres cresceram 4,8%. E quem comprou biscoitos teve que gastar 5,1% a mais.

Os americanos haviam se acostumado a gastar mais da metade do orçamento de alimentos em refeições feitas fora de casa. Mas isso mudou abruptamente quando a pandemia de coronavírus chegou. Os restaurantes fecharam as portas e as famílias foram obrigadas a cozinhar para si.

ANÚNCIO

“Vimos uma redução drástica e imediata nas despesas fora de casa e um aumento nas despesas que fizemos no supermercado”, disse David Ortega, economista de alimentos da Michigan State University.

Ortega vê a mudança em seus próprios hábitos. Em vez de comprar um café preparado na loja de bagels do campus, ele está fazendo seu próprio café em casa com grãos comprados na loja. Ele também está comprando para sua esposa e filha de 2 anos.

“Sim, agora tenho que ir ao supermercado e garantir lanches, peixinhos e bolachas salgadas, além de tudo o que está subindo de preço”, disse Ortega.

Há poucas evidências de que o consumo geral de alimentos tenha aumentado (embora o preço dos lanches tenha aumentado 3,8% no mês passado). Mas onde e o que estamos comendo mudou. E isso criou algumas torções caras na cadeia de suprimentos.

Ortega alertou que é provável que os preços da carne bovina e suína subam nas próximas semanas, como resultado de gargalos nos matadouros, que se tornaram pontos quentes para infecções por coronavírus.

A maioria de nós não está dirigindo muito, então os preços da gasolina caíram 20,6% no mês passado. O preço do seguro automóvel também caiu em abril, 7,2% – mais do que em qualquer outro mês registrado.

“Com pessoas dirigindo menos, isso inevitavelmente significará menos acidentes“, disse Sean Kevelighan, CEO do Insurance Information Institute. As seguradoras de automóveis estão oferecendo descontos e reembolsos que totalizam mais de U$ 10 bilhões este ano.

Kevelighan adverte, no entanto, que com menos carros na estrada, algumas pessoas estão dirigindo mais rápido. Isso significa que os acidentes que acontecem costumam ser mais caros.

“De fato, as pessoas estão dirigindo de forma mais imprudente neste momento. E isso significa que estamos tendo mais lesões e maiores danos”, disse ele.

O relatório de inflação nos diz mais sobre como nossos padrões de consumo mudaram durante a pandemia.

À medida que a demanda por papel higiênico aumentou, os preços do papel doméstico aumentaram 4,5% no mês passado. Existem várias outras categorias em que os preços subiram – incluindo cuidados hospitalares (até 0,5%) e funerais (até 0,3%).

Mas enquanto os americanos estão gastando mais em necessidades como massas e papel higiênico, estão cortando tudo o resto.

“Consequentemente, os preços estão caindo. O vestuário caiu novamente no mês. As tarifas das companhias aéreas estão despencando. Os preços dos hotéis [estão] baixos”, disse Kathy Bostjancic, economista financeira americana da Oxford Economics.

O preço dos carros usados ​​caiu 0,4% no mês passado e pode cair ainda mais se as empresas de aluguel de carros decidirem que têm muitos carros e venderem parte de seu excedente. Pode haver algumas pechinchas no estacionamento de carros usados. Mas com milhões de americanos subitamente desempregados, não está claro quem vai querer comprar.

“A questão está aí”, disse Bostjancic. “E é por isso que você vê em todo o espectro do consumidor descontos profundos”.

Se você tomar preços voláteis de alimentos e gasolina, o custo de tudo o resto caiu 0,4% no mês passado. No último ano, esses chamados “preços básicos” subiram apenas 1,4%.

Isso sugere que o governo pode se dar ao luxo de continuar emprestando e gastando dinheiro em programas de ajuda emergencial sem medo de preços descontrolados.

“A inflação é a menor das nossas preocupações no momento”, disse Bostjancic.

Fonte: NPR

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo.

ANÚNCIO