O Pólo Norte pode ficar sem gelo se não houver diminuição na emissão de gás carbônico

Polo Norte - Estudo Kids

O Pólo Norte provavelmente ficará sem gelo durante os verões antes de 2050, dizem os pesquisadores.

Em meio ao rápido aquecimento global – com temperaturas médias no Ártico já 2 °C acima do que estavam na era pré-industrial – a extensão do gelo do mar está diminuindo cada vez mais rápido.

À medida que a crise climática piora, os cientistas dizem que agora é apenas a eficácia das medidas de proteção que determinarão por quantos anos mais nosso planeta continuará a ter uma calota de gelo do norte durante todo o ano.

Uma nova e importante pesquisa envolvendo 21 institutos líderes e o uso de 40 modelos climáticos diferentes constatou que, seja qual for a ação, estamos a caminho de ver os verões sem gelo nas próximas décadas.

A pesquisa foi publicada na revista Geophysical Research Letters.

ANÚNCIO

As emissões de CO2 podem acelerar o desaparecimento do gelo no Pólo Norte

Os cientistas consideraram o futuro da cobertura de gelo do Ártico em cenários com altas emissões futuras de CO2 e pouca proteção climática – como esperado, o gelo do Ártico desapareceu rapidamente no verão nessas simulações.

Mas o estudo também descobriu que o gelo do verão no Ártico também desaparece “ocasionalmente” se as emissões de CO2 forem reduzidas rapidamente.

Dirk Notz, que lidera o grupo de pesquisa de gelo marinho na Universidade de Hamburgo, disse: “Se reduzirmos as emissões globais de maneira rápida e substancial e, assim, mantivermos o aquecimento global abaixo de 2 °C em relação aos níveis pré-industriais, o gelo do Ártico provavelmente desaparecerá ocasionalmente no verão mesmo antes de 2050. Isso realmente nos surpreendeu. ”

Atualmente, o Pólo Norte é coberto pelo gelo marinho durante todo o ano. A cada verão, a área da cobertura de gelo marinho diminui, no inverno cresce novamente.

Em resposta ao aquecimento global em curso, a área geral do Oceano Ártico coberta por gelo marinho foi rapidamente reduzida nas últimas décadas.

Isso afeta substancialmente o ecossistema e o clima do Ártico. A cobertura de gelo marinho é um local de caça e habitat de ursos polares e focas, e mantém o Ártico fresco, refletindo a luz do sol.

A frequência com que o Ártico perderá sua cobertura de gelo marinho no futuro depende criticamente das futuras emissões de CO2, disseram os autores.

Se as emissões forem reduzidas rapidamente, os anos sem gelo ocorrerão apenas ocasionalmente. Com emissões mais altas, o Oceano Ártico se tornará livre de gelo na maioria dos anos.

Fonte: Independent

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo.

ANÚNCIO