O homem não consegue andar ou falar há oito anos, depois de tomar um comprimido para dormir

ANÚNCIO

Um homem que não conseguia andar ou falar há oito anos acordou após tomar um comprimido para dormir, revelaram cientistas da Holanda.

O homem de 37 anos, conhecido na revista médica Cortex como Richard, recuperou a consciência total, reconheceu sua família e pediu para falar com seu pai quando os médicos lhe deram um remédio simples para dormir.

ANÚNCIO

Ele também conseguiu sair da cadeira de rodas e andar, com a ajuda de médicos.

Engasgo com pedaço de carne provocou distúrbio

Richard foi hospitalizado com cerca de 20 anos devido a uma grave falta de oxigênio após engasgar com um pedaço de carne. O incidente o deixou com graves danos cerebrais e mutismo acinético – um raro estado mental em que as pessoas não podem falar, comer ou se mover, mas ainda podem abrir os olhos.

A família de Richard concordou que os médicos poderiam administrar o comprimido para dormir Zolpidem (10 mg) depois de serem informados de que havia pouco mais a ser feito por ele. Porém, em 20 minutos, Richard estava pedindo comida para sua enfermeira.

ANÚNCIO

O aluno de doutorado Willemijn van Erp, da Radboud University, disse: “Ficou claro que Richard nos viu e ouviu, mas por causa de sua lesão cerebral, ele mal conseguiu nos responder.”

O homem não consegue andar ou falar há oito anos, depois de tomar um comprimido para dormir
Foto: (reprodução/internet)

“Como a situação de Richard parecia desesperadora, a família e eu decidimos administrar esse medicamento a Richard. Contra todas as expectativas, o Zolpidem teve efeitos notáveis.”

Leia também: Transtorno de ansiedade – Entenda os sintomas

Remédio fez homem voltar a falar

Depois de tomar o remédio para dormir, Richard começou a falar, queria ligar para o pai e começou a reconhecer os irmãos novamente. Com alguma ajuda, ele conseguia até se levantar da cadeira de rodas e caminhar curtas distâncias.”

Varreduras cerebrais revelaram que, após o incidente, partes do cérebro de Richard desligaram porque estavam sendo sobrecarregadas com atividade sensorial, conhecida como ruído. No entanto, as pílulas para dormir silenciaram a atividade cerebral indesejada, permitindo que Richard recuperasse sua fala e movimento – até que os efeitos da droga passassem cerca de duas horas depois.

O Dr. Hisse Arnts, da UMC de Amsterdã, disse: “As varreduras do cérebro de Richard mostram hiperatividade em certas partes do cérebro. Essa hiperatividade causa ruído e, de alguma forma, desliga a atividade cerebral ‘boa’.”

Hiperatividade terá que ser controlada com remédio

Descobrimos que a administração desse medicamento para dormir pode suprimir essa hiperatividade indesejada do cérebro, criando espaço para a fala e o movimento.”

“As janelas de tempo durante as quais o paciente era capaz de falar e se mover ficaram mais estreitas e suas habilidades de se mover e falar durante essas janelas de tempo diminuíram.”

“O uso de múltiplas doses de zolpidem durante um único dia não mostrou melhora em seu quadro clínico e às vezes até causou sedação.”

Os pesquisadores agora estão procurando uma solução duradoura que possa ajudar pacientes como Richard com esse tipo específico de lesão cerebral a ficarem totalmente conscientes.

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo

Fonte:Lad Bible

ANÚNCIO