Enxame de terremotos na Califórnia foi acionado por derramamento de fluido, afirma algoritmo

Usando modelagem 3D e aprendizado de máquina, os cientistas afirmam ter resolvido o mistério dos pequenos terremotos que roncam diariamente em Cahuilla, Califórnia, do início de 2016 ao final de 2019 – quase quatro anos.

Mount Ranier

É provável que algum tipo de fluido natural, como água ou dióxido de carbono líquido, seja o culpado. Como aponta um novo estudo, ele sem dúvida rompeu uma barreira na rocha subterrânea, alterando o equilíbrio de pressão e fricção ao longo da linha de falha e contribuindo para uma longa sequência de tremores menores.

O estudo pode ser visto na revista Science.

O entendimento das falhas para explicar os terremotos

As técnicas implantadas aqui podem ser vitais para entender e prever futuros terremotos. Como o que aconteceu perto de Cahuilla, grandes terremotos e enxames menores somam dezenas de milhares de ocorrências individuais.

ANÚNCIO

Cerca de 22.000 terremotos misteriosos ressoaram o sul da Califórnia desde 2016. O comportamento confunde os cientistas há anos.

“Costumávamos pensar mais em falhas em termos de duas dimensões: como rachaduras gigantes que se estendiam para a Terra”, diz o geofísico Zachary Ross, do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech).

“O que estamos aprendendo é que você realmente precisa entender a falha em três dimensões para obter uma imagem clara de por que os enxames de terremotos ocorrem”.

Ross e seus colegas usaram redes neurais para examinar milhares de eventos sísmicos, variando de 0,7 a 4,4 em magnitude. A análise revelou uma linha de falha 3D profunda e estreita que se estende por aproximadamente 8 quilômetros (5 milhas).

O modelo mostrou a provável presença de um reservatório subterrâneo. Foi inicialmente cortado da zona de falha antes de vazar e acionar os tremores. Detectar isso só foi possível pela simulação em alta resolução da equipe.

Se o trabalho for concluído, ele lança luz quando visto de perfil em uma zona de falha estreita de 50 metros de comprimento com curvas acentuadas. Foram essas curvas, diz Ross, que revelaram a explicação para a atividade sísmica na área por muitos anos.

O estudo diz que a principal explicação potencial para os enxames foi a circulação das águas subterrâneas ou um deslizamento lento de uma falha ativa, chamada de fluência de falha.

“Os detalhes aqui são incríveis”, disse a sismologista Elizabeth Vanacore, da Universidade de Porto Rico em Mayagüez, que não participou da pesquisa, a Maya Wei-Haas, da National Geographic.

“Esse tipo de trabalho é de ponta e realmente para onde a ciência está indo”.

Enxames como o estudado aqui normalmente não contêm grandes terremotos. Eles também são muito menos previsíveis do que os grandes terremotos, que geralmente começam com um grande choque seguido de um tremendo declínio lento.

Terremotos lentos

O que tornou esse enxame fascinante é que durou muito tempo – mais como um enxame em câmera lenta. É provável que outros enxames durem dias, semanas ou meses. Os cientistas dizem que agora está diminuindo, provavelmente porque o fluido atingiu uma barreira impermeável.

O próximo passo é testar a técnica de simulação mais longe, no sul da Califórnia e em outros lugares – pode ser que mais enxames de terremotos sejam responsáveis ​​por injeções naturais de fluidos, que os sismólogos estudariam usando essa metodologia.

“Essas observações nos aproximam de fornecer explicações concretas sobre como e por que os enxames de terremotos começam, crescem e terminam”, diz Ross.

Fonte: Tech Times

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo.

ANÚNCIO