Stonehenge e descobertas interessantes que levantam novas questões

ANÚNCIO

Qual o significado de Stonehenge? É um daqueles mistérios que simplesmente não o deixa em paz. Pinturas em cavernas pré-históricas são uma coisa, mas ter colocado várias rochas de 20 toneladas no chão na vertical usando a tecnologia disponível há 5.000 anos?

Essa é uma façanha incrível. Mas um dos únicos estudiosos com permissão para escavar na área tem uma nova teoria que torna a coisa toda muito mais misteriosa. E se as pedras alinhadas com os solstícios já estivessem apontando para aquele local por milhões de anos?

ANÚNCIO
Stonehenge e descobertas interessantes que levantam novas questões

Reescrevendo a história de Stonehenge

Conheça Mike Pitts. Ele é um dos maiores especialistas mundiais em arqueologia britânica em geral, e Stonehenge em particular, desde que se tornou uma das poucas pessoas com permissão para escavar o local em 1979.

Ele descobriu muito sobre o local e parece que toda nova descoberta ou teoria trouxe consigo uma série de novas questões. Agora, sua teoria mais recente pode explicar muitos desses mistérios, mas é claro, também traz alguns deles.

Existem dois tipos de pedras em Stonehenge: pedras azuis e sarsens. Muito foi feito exatamente de onde cada tipo se originou.

ANÚNCIO

Em 2011, uma análise das pedras azuis do monumento colocou definitivamente sua fonte em um afloramento no País de Gales, a cerca de 257 quilômetros de distância. Obviamente, essas pedras eram apenas cerca de cinco toneladas (4,5 toneladas métricas) cada.

Comparados aos sarsens de 20 a 30 toneladas, eles eram praticamente os Mini Cooper do mundo henge. Sarsens são uma espécie de arenito silicificado e são relativamente abundantes na área circundante a Stonehenge. Ainda assim, a maioria deles provavelmente foi arrastada de Marlborough Downs, a cerca de 32 quilômetros de distância.

Stonehenge | Historia das Artes

Em 1979, durante a primeira escavação, Mike Pitts descobriu evidências de fossas pré-históricas escavadas diretamente ao lado de algumas das pedras mais cruciais da estrutura – especificamente, as conhecidas hoje como Pedra do Calcanhar e pedra 16.

A Pedra do Calcanhar é de particular interesse para algumas razões. Com 35 toneladas, é a maior pedra do complexo, sai da arena circular central por cerca de 76 metros e é a pedra que você olharia se estivesse tentando localizar o ponto em que o sol nasce no solstício de verão e se põe no solstício de inverno.

E o lugar que você estaria em pé? Bem ao lado da pedra 16. Quando Pitts descobriu esses buracos pela primeira vez, ele pensou que eles poderiam ter contido outras pedras que haviam sido removidas desde então. Mas agora ele acredita que a pedra 16 e a pedra do calcanhar foram escavadas no chão bem ali.

Um guia antigo

O interessante é que os buracos em que essas pedras teriam sido escavadas também se alinham com os solstícios. Isso significa que, se Pitt estiver certo, muitas perguntas que há muito cercam o monumento podem ter respostas.

Por exemplo, por que os povos antigos escolheram esse terreno específico para arrastar suas pedras? Porque já possuía significado astronômico para eles.

Por que essas duas pedras não foram esculpidas ou modeladas? Porque eles já estavam funcionando como marcadores para o sol. O melhor de tudo, isso explicaria por que havia outras estruturas em Stonehenge muito antes do próprio henge.

Para ser justo, isso levanta outra questão – se as pedras já estavam alinhadas com os solstícios, por que se preocupar em desenterrá-las e movê-las um pouco para o sul em primeiro lugar? Podemos não ter todas as respostas, mas todos os dias nos aproximamos de descobrir o que os druidas estavam fazendo, centenas de anos antes do início da história.

Fonte: curiosity.com

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo.

ANÚNCIO