Orquestra boliviana confinada em um castelo alemão cercado por lobos

Orquestra boliviana confinada em um castelo alemão cercado por lobos

O ritmo em que os bloqueios ocorreram em todo o mundo levou a alguns arranjos de vida não convencionais – e às vezes francamente irritantes.

Para turistas que não foram rápidos o suficiente – ou não tinham dinheiro para voltar ao país em que vivem – alguns ficaram presos em países nos quais pretendiam passar apenas uma semana, como um casal que agora está preso em Rheinsberg desde março.

Mas nenhum deles é tão azarado quanto a orquestra boliviana que viajou para a Alemanha para tocar em um castelo e vive lá desde março.

Parece o enredo de um conto de fadas – ou mesmo um episódio particularmente doido de Scooby Doo – mas é uma situação contínua desde 10 de março, de acordo com um relatório da BBC.

Tentativa da orquestra de voltar para casa

A orquestra aterrissou na Alemanha em 10 de março e eles esperavam passar apenas duas semanas em turnê em diferentes salas de concerto no leste da Alemanha.

ANÚNCIO

Logo após sua chegada, Berlim proibiu reuniões de mais de mil pessoas em resposta à pandemia, e as performances que a orquestra foram canceladas logo depois.

Eles tentaram pegar vôos de volta para a Bolívia, e o escritório de relações exteriores alemão e a embaixada boliviana reservaram assentos em um dos últimos vôos fora da Alemanha, que estava indo para o Peru. Mas eles foram informados logo depois que o avião não teria permissão para aterrissar no Peru e, portanto, não puderam viajar.

Logo depois, um bloqueio total foi imposto na Alemanha, e os músicos, que já haviam chegado ao Palácio Rheinsberg (duas horas ao norte de Berlim) só puderam ir até as bordas externas da floresta do castelo.

O palácio pertencia a um aristocrata alemão chamado Frederico, o Grande. Camed Martela, um dos membros mais jovens da orquestra, disse à BBC:

” Todos brincamos que o fantasma de Frederick está nos seguindo e tentando nos enganar. Normalmente não acredito nessas coisas, mas parece que há fantasmas no local.”

Outros membros da orquestra também viram lobos, embora tenham dito que não estão preocupados.

Um conto de fadas no mundo real

Desde então, a orquestra mantém um horário rigoroso de prática na casa de hóspedes do Palácio Rheinsberg – quase nove horas por dia. Muitos deles sustentam suas famílias financeiramente, e outros mal conseguem falar com eles por causa de dificuldades com as conexões à Internet.

A ministra das Relações Exteriores Karen Longaric sugeriu no rádio da Bolívia que a orquestra deixou a Bolívia com pleno conhecimento de que as fronteiras seriam fechadas (embora nenhum caso tenha sido registrado), e muitos membros da orquestra estão preocupados com o fato de terem sido esquecidos.

Um músico alemão chamado Timo Kreuser, que ficou com eles na Bolívia, tem ajudado a amenizar a estada, mas está preocupado com o aumento dos custos de acomodação, além de alimentos e outras despesas.

Mas os próprios bolivianos, estão recebendo mensagens do Facebook de pessoas que nunca conheceram.
Um deles, chamado Carlos, disse à BBC:

“As pessoas em casa acham que estamos em uma terra de contos de fadas. Recebi centenas de mensagens dizendo para parar de reclamar e que estou vivendo como uma princesa em um castelo alemão.”

Então talvez não seja tão ruim, afinal.

Fonte: Indy 100

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo.

ANÚNCIO