O filme “O Resgate” de Chris Hemsworth é bem menos divertido do que deveria

ANÚNCIO
Resgate | Conheça o filme da Netflix com Chris Hemsworth

Filmes de ação podem ser um dos grandes prazeres do cinema. Quando você está com outras pessoas, todos os grunhidos, socos e chutes podem parecer uma celebração de todos os nossos impulsos neandertais latentes.

Esse filme está nos tornando mais inteligentes como sociedade? Nós nos perguntamos. De jeito nenhum! É a resposta comunitária retumbante e alegre.

ANÚNCIO

Mas o bloqueio do COVID-19, que deixou os cinemas fora dos limites, coloca uma nova pergunta: assistir a um filme de ação enquanto você está deitado no sofá, com o laptop no estômago, tem a mesma emoção?

A resposta, se “O Resgate” da Netflix for alguma indicação, provavelmente não é. Isso quase não é culpa do filme: embora muitas pessoas assistam a filmes de ação em casa, a tela pequena – mesmo uma tela grande e grande – faz com que pareçam meio patetas e inconsequentes.

Pagar de 13 a 18 dólares para gastar algum tempo feliz com um monte de estranhos é pelo menos uma decisão consciente, que (espero) envolve vestir calças. Mas a experiência de filme de ação em casa é, por natureza, desagradável. Você deve assistir antes ou depois de lavar a louça? Isso é contigo. Eu escolhi assistir antes, pelo que vale a pena.

ANÚNCIO

Do que se trata o roteiro do filme

Em O Resgate – dirigido por Sam Hargrave e adaptado dos quadrinhos Ciudad, de Ande Parks, Joe e Anthony Russo, Fernando Léon González e Eric Skillman – Chris Hemsworth interpreta um mercenário chamado Tyler Rake. (Um rake real aparece brevemente no filme – o momento deve ser mais engraçado do que é, mas pelo menos está aí.)

Tyler, sendo um mercenário, fará qualquer coisa por dinheiro. O show em questão: Resgatar Ovi, de 14 anos (Rudhraksh Jaiswal, que apresenta uma performance melhor do que o filme merece), filho de um gangster rico e poderoso. Ele foi sequestrado em Mumbai e levado pelos bandidos para Bangladesh.

Tyler deixa sua morada desarrumada na Austrália, onde as galinhas são livres para caminhar pela beira da banheira – ele está cuidando de algumas feridas profundas e escuras, o tipo de coisa que faz com que você não se importe com o fato de as galinhas estarem caminhando na beira da banheira. Ele concorda em resgatar o garoto. Mas ele está fazendo isso apenas pelo dinheiro, é claro.

Esses bandidos são muito ruins – um deles joga um garoto do telhado, apenas para ensinar uma lição a outras crianças. Isso é algo bastante duro, emitido pelo laptop empoleirado no seu estômago. Tudo é um desenho animado e autoconsciente, mas ainda não é tão divertido quanto deveria ser.

E ainda há Hemsworth, e isso não é nada. Ele é uma excelente estrela de ação, com todos os músculos corpulentos e ensanguentados: esteja ele culpando diversos malfeitores com uma arma automática ou esfaqueando isto ou aquele mal-entendido no peito, cada movimento tem uma eficiência grunhida.

No entanto, mesmo ele é superado por outro artista: De volta à Austrália, Tyler recebe sua tarefa de uma cliente alta e descolada, de camisa branca. O filme mal nos diz o nome dela, mas é Nik Khan, e ela é interpretada pela atriz iraniana Golshifteh Farahani.

Farahani pode parecer familiar: ela é um dos atores centrais de About Elly, do reverenciado diretor iraniano Asghar Farhadi. Ela também aparece em Piratas do Caribe: Homens mortos não contam histórias. Mas, talvez o mais memorável, ela interpreta a maravilhosa esposa louca de artesanato de Adam Driver, Laura, em Paterson, de Jim Jarmusch.

Farahani é encantadora, e seu papel em “O Resgate” não é grande o suficiente, embora ela consiga disparar algumas armas muito grandes, e ela tem um momento impressionante no final do filme. Nik Khan, com Farahani como estrela, deveria ter seu próprio filme. Aquele que eu assistiria depois de lavar a louça. Eu apenas tenho a sensação de que seria melhor.

Fonte: Time

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo.

ANÚNCIO