Para melhorar a transmissão de vídeos especialistas desenvolvem novo algoritmo

Desde que a pandemia de coronavírus colocou muitos países em risco, o streaming de vídeo se tornou uma atividade mais popular para muitas pessoas. Mas o aumento do público também fez com que as banda largas sofressem e, consequentemente, a qualidade do vídeo diminuiu.

Mas, de acordo com um comunicado do EurekAlert, pesquisadores da Universidade de Stanford desenvolveram um algoritmo chamado “Fugu” que poderia melhorar significativamente a qualidade da transmissão de vídeo.

Experts Discovered A New Way To Improve Video Streaming; New Algorithm Improves Video Quality!

De acordo com o comunicado, o novo algoritmo foi criado com a ajuda de espectadores voluntários que assistiram a um fluxo de vídeo.

O referido fluxo de vídeo foi fornecido por cientistas da computação que usaram o aprendizado de máquina para examinar cuidadosamente o fluxo de dados em tempo real, a fim de criar maneiras de reduzir os estolamentos e falhas dos espectadores devido ao grande número de pessoas que transmitem ao mesmo tempo.

Novo algoritmo melhora a qualidade do vídeo

Um artigo científico foi publicado pela Usenix, que descreve como o algoritmo recém-desenvolvido foi criado. Foi declarado que o Fugu apenas envia tantos dados quanto a conexão à Internet do espectador pode receber sem diminuir a qualidade do vídeo.

ANÚNCIO
Experts Discovered A New Way To Improve Video Streaming; New Algorithm Improves Video Quality!

“No streaming, evitar falhas depende muito desses algoritmos”, disse Francis Yan, doutorando em ciência da computação e primeiro autor do estudo.

Segundo o relatório, muitos dos atuais sistemas predominantes para streaming de vídeo são baseados no algoritmo baseado em buffer, também conhecido como BBA. Te-Yuan Huan, um estudante de Stanford, desenvolveu o BBA há sete anos com a ajuda do professor McKeown e Ramesh Johari.

O algoritmo baseado em buffer funciona perguntando ao dispositivo de um indivíduo quanto de vídeo ele tem em seu buffer. Se o vídeo armazenado tiver menos de cinco segundos, o algoritmo envia imagens de qualidade inferior para diminuir falhas e outras interrupções que possam ocorrer.

Por outro lado, se o buffer do vídeo for superior a 15 segundos, o BBA enviará o vídeo da mais alta qualidade possível. Se os números ficarem intermediários, o algoritmo baseado em buffer ajustará a qualidade do vídeo de acordo com seu buffer.

Para criar um algoritmo mais sofisticado do que o BBA, Keith Winstein, professor assistente de ciência da computação que supervisionou a pesquisa, e uma equipe de pesquisadores ergueram uma antena no topo do Packard Building, em Stanford, para captar sinais de transmissão pelo ar que podem entregar aos voluntários do projeto chamado “Baiacu”.

Os pesquisadores monitoraram o fluxo de dados dos espectadores usando seu próprio algoritmo de aprendizado para comparar seu desempenho e ver qual deles possui melhores recursos de ajuste.

A pesquisa mostrou que o Fugu superou o BBA em termos de tempo de interrupção, consistência da qualidade do vídeo e maior resolução de imagem. De acordo com o estudo, os espectadores que assistem a transmissões de vídeos alimentados por Fugu duraram uma média de 5 a 9%, mais em comparação com aqueles que usavam algoritmos regulares.

Fonte: Techtimes

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo.

ANÚNCIO