Radiação de luz azul emitida por telefones celulares pode danificar a pele

ANÚNCIO

Devido à pandemia de coronavírus em andamento, todos somos forçados a fazer nosso trabalho ou estudar em casa, olhando nossos computadores por longos períodos e isso aumenta nosso contato com a luz emitida pelas telas. O uso de smartphones por parte das pessoas para jogar e verificar as mídias sociais também aumentou.

Isso significa que toda essa situação está nos colocando na frente de nossos dispositivos e telas mais do que nunca. De fato, um aumento de 70% no uso em aplicativos de mídia social como Instagram, Facebook e Whatsapp foi relatado pelo Facebook.

ANÚNCIO
blue light

Isso não apenas sobrecarrega nossos olhos, mas também danifica nossa pele ao longo do tempo.

De acordo com Marcene Alexiades, professora clínica associada da Faculdade de Medicina da Universidade de Yale, ela disse ao Harper’s Bazaar que “a luz azul tem alta energia e, portanto, é capaz de penetrar profundamente na pele. Eu aconselho meus pacientes ao usar seus dispositivos, desativarem a emissão de luz UV azul, que é conhecida por causar câncer de pele. “

Radiação de luz azul pode causar câncer de pele

Então, o que é a luz azul e como isso afeta a pele? Um dermatologista de Miami chamado Loretta Ciraldo afirmou que a luz azul, também conhecida como Luz Visível de Alta Energia (HEVL) e Luz Visível Artificial (AVL), é o espectro de luz que está muito próximo do comprimento de onda do ultravioleta leve.

ANÚNCIO

“O sol emite grandes quantidades de luz azul, e é por isso que o céu está azul. Dispositivos digitais, incluindo nossos telefones celulares e telas de computador, também emitem luz azul, mas em quantidades menores, para que não a vejamos tão intensamente quanto o azul do céu. “, disse Ciraldo.

Assim como os raios ultravioletas emitidos pelo sol, a luz azul também tem um comprimento de onda curto. No entanto, quando se trata de grandes quantidades de luz azul provenientes de aparelhos como telefones e PCs, pode danificar muito as camadas profundas da pele e, eventualmente, causar envelhecimento prematuro e câncer de pele.

De acordo com Ellen Marmur, dermatologista certificada pelo Conselho de Nova York, a exposição excessiva a longo prazo a fontes de luz azul pode causar danos à pele. Isso inclui o enfraquecimento da superfície da pele, inflamação e pigmentação.

Relatórios recentes do Centro Nacional de Informações em Biotecnologia mostraram que, quando as células da pele são expostas à luz azul artificial emitida por dispositivos eletrônicos, isso pode causar danos às proteínas e aos lipídios que dão umidade e reparam a pele.

Ciraldo também explica que “O tópico da proteção da luz azul é muito novo. Para muitas pessoas, a luz azul causa mais vermelhidão, inchaço e hiperpigmentação que o UVA. É por esse motivo que nós dermatologistas agora estamos focados em proteger a pele dos danos causados ​​pela luz azul.”

Fonte: Tech Times

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo.

ANÚNCIO