Astrônomos cidadãos descobrem 1.500 “mundos frios” com temperaturas semelhantes às da Terra

ANÚNCIO

Citizen Astronomers Discover 1500 'Cool Worlds' That Have Similar Temperatures To Earth

Um projeto de cientista cidadão que recrutou 100.000 observadores de estrelas voluntários encontrou cerca de 1.500 ‘mundos frios’, que são mais leves que estrelas, mas maiores que planetas – com alguns quase tão frios quanto a Terra.

ANÚNCIO

Os ‘mundos frios’ são mais formalmente conhecidos como anãs marrons e são considerados brasas de resfriamento no espaço. Por estarem perdendo temperatura, eles parecem fracos e podem ser difíceis de detectar, razão pela qual os astrônomos têm procurado por eles relativamente perto, em nossa galáxia.

Credit: A. Meisner / NOIRLab / NSF

Planetas que esfriam à medida que envelhecem

A teoria diz que as anãs marrons esfriam à medida que envelhecem, começando em temperaturas incrivelmente altas, mas esfriando até ficarem no mesmo nível de planetas como a Terra. O projeto Backyard Worlds: Planet 9 alistou 100.000 astrônomos cidadãos e encontrou anãs marrons a 23 anos-luz da Terra, com outras geralmente a 30 a 60 anos-luz de distância.

ANÚNCIO

Como o autor do artigo subsequente do projeto, Aaron Meisner do NOIRLab da National Science Foundation (NSF), explicou: “Esses mundos frios oferecem a oportunidade de novos insights sobre a formação e a atmosfera dos planetas além do Sistema Solar.”

“Esta coleção de anãs marrons frias também nos permite estimar com precisão o número de mundos flutuantes vagando pelo espaço interestelar próximo ao Sol.”

Credit: CTIO / NOIRLab / NSF / AURA / D. Munizaga

A precisão do olho humano

Apesar dos avanços em IA e aprendizado de máquina, aparentemente ainda não há nada mais preciso do que o olho humano quando se trata de examinar as imagens do telescópio em busca de evidências de objetos em movimento.

Pesquisadores e cidadãos usaram o Astro Data Lab, um portal online especial que contém enormes catálogos astronômicos contendo bilhões de bilhões de objetos. Os dados que eles estavam estudando foram coletados pelo Telescópio Nicholas U. Mayall de 4 metros no Observatório Nacional Kitt Peak no Arizona (foto) e o Telescópio Victor M. Blanco de 4 metros no Observatório Interamericano de Cerro Tololo, no Chile .

“É incrível saber que nossas descobertas agora são contadas entre as vizinhas do Sol e serão alvos de pesquisas futuras”, disse o coautor do artigo e cientista cidadão Jim Walla.

Outros especialistas foram igualmente efusivos sobre o projeto, com o astrônomo da NSF Chris Davis comentando: “É ótimo ver resultados tão emocionantes dos esforços do NOIRLab para ampliar a participação na pesquisa astronômica.”

“Ao tornar os dados arquivados dos telescópios Mayall e Blanco da NSF disponíveis ao público e facilmente acessíveis […], pessoas com fascínio pela astronomia podem dar uma contribuição real para a ciência e para a nossa compreensão do Universo.”

Meisner, por sua vez, concluiu: ‘Vastos conjuntos de dados modernos podem desbloquear descobertas marcantes e é empolgante que eles possam ser identificados primeiro por um cidadão cientista. Os membros do público podem desempenhar um papel importante na reformulação de nossa compreensão científica de nossa vizinhança solar. ”

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo

Fonte: Lad Bible

ANÚNCIO