Como as histórias se conectam e nos convencem: o poder cerebral da narrativa

Como as histórias se conectam e nos convencem: o poder cerebral da narrativa

Quando você ouve uma história, qualquer que seja a sua idade, é transportado mentalmente para outra época e local – e quem não poderia usá-la agora?

“Todos conhecemos esse delicioso sentimento de ser varrido para o mundo das histórias”, diz Liz Neeley, que dirige The Story Collider, uma produtora sem fins lucrativos que, em tempos não-pandêmicos, realiza eventos ao vivo cheios de histórias pessoais sobre ciência. “Você esquece o ambiente”, diz ela, “e você está totalmente imerso”.

Dependendo da história que você está lendo, assistindo ou ouvindo, suas mãos podem começar a suar, descobriram os cientistas. Você piscará mais rápido e seu coração poderá vibrar ou pular. Suas expressões faciais mudam e os músculos acima das sobrancelhas reagirão às palavras – outro sinal de que você está envolvido.

As histórias ativam áreas diferentes do cérebro

Um corpo crescente de ciência do cérebro oferece ainda mais insights sobre o que está por trás dessas experiências.

Nas ressonâncias magnéticas funcionais, muitas áreas diferentes do cérebro acendem quando alguém está ouvindo uma narrativa, diz Neeley – não apenas as redes envolvidas no processamento da linguagem, mas também outros circuitos neurais.

ANÚNCIO

Um estudo de ouvintes descobriu que as redes cerebrais que processam emoções decorrentes dos sons – junto com as áreas envolvidas no movimento – foram ativadas, especialmente durante as partes emocionais da história.

Quando você ouve uma história, suas ondas cerebrais começam a se sincronizar com as do narrador, diz Uri Hasson, professor de psicologia e neurociência da Universidade de Princeton.

Quando ele e sua equipe de pesquisa registraram a atividade cerebral em duas pessoas enquanto uma pessoa contava uma história e a outra ouvia, eles descobriram que quanto maior a compreensão do ouvinte, mais próximos os padrões das ondas cerebrais refletiam os do narrador.

As regiões do cérebro que processam informações complexas parecem estar envolvidas, explica Hasson: É como se “eu estivesse tentando tornar seu cérebro semelhante ao meu em áreas que realmente capturam o significado, a situação, o esquema – o contexto do mundo”.

Outros cientistas desenvolveram atividades interessantes nas partes do cérebro envolvidas em fazer previsões. Quando lemos, as redes cerebrais envolvidas na decifração – ou na imaginação – dos motivos de outra pessoa e as áreas envolvidas na adivinhação do que acontecerá a seguir são ativadas, diz Neeley.

Imaginar o que leva outras pessoas – o que alimenta nossas previsões – nos ajuda a ver uma situação de diferentes perspectivas. Pode até mudar nossas crenças centrais, diz Neeley, quando “voltamos do mundo das histórias para a vida normal”.

Os ouvintes, por sua vez, podem continuar pensando na história e conversar com outras pessoas, diz ela, o que reforça a memória e, com o tempo, pode levar a uma mudança mais ampla de atitudes.

Diferentes formatos de informação – listas de fatos, digamos, ou gráficos – podem ser mais adequados para diferentes situações, dizem os pesquisadores, mas as histórias exercem uma influência particularmente forte sobre nossas atitudes e comportamento.

Em contextos de assistência à saúde, por exemplo, as pessoas têm maior probabilidade de mudar seu estilo de vida quando veem um personagem com quem se identificam ao fazer a mesma mudança, observa Melanie Green, professora de comunicação da Universidade de Buffalo que estuda o poder da narrativa, inclusive em comunicação médico-paciente.

Anedotas podem fazer conselhos de saúde pessoalmente importantes para um paciente, ela acha. Quando você ouve ou lê sobre alguém com quem se identificou que adotou a meditação, por exemplo, é mais provável que você continue com ela.

As histórias também podem alterar atitudes mais amplas, diz Green – como nossas opiniões sobre relacionamentos, política ou meio ambiente. Mensagens que parecem comandos – até bons conselhos de um amigo – nem sempre são bem recebidas.

Se você sentir que está sendo empurrado para um canto, é mais provável que recue. Mas se alguém lhe contar uma história sobre o momento em que também teve que terminar um relacionamento doloroso, por exemplo, as informações provavelmente aparecerão menos como uma palestra e mais como uma verdade pessoal.

Neeley tem aproveitado esses efeitos para mudar as percepções sobre ciência e cientistas em seu trabalho com o Story Collider. “Tentamos levar todo mundo – todas as pessoas e perspectivas – colocá-los no palco e ouvir como é realmente a vida na ciência”, diz ela.

Informações sólidas de qualquer forma são boas, diz Green. “Mas isso não é necessariamente suficiente.” Uma história vívida e emocional “pode ​​dar um empurrão extra para torná-la mais real ou mais importante”. Se você observar os momentos em que as crenças de alguém foram alteradas, ela diz, geralmente é por causa de uma história que “os atinge no coração”.

Fonte: Npr

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo.

ANÚNCIO