Teste de cloroquina para coronavírus é interrompido após pacientes mostrarem efeitos colaterais

O medicamento para malária chamado Cloroquina é considerado uma cura potencial para o COVID-19. Além disso, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, divulgou este medicamento contra a malária.

No entanto, o referido medicamento potencial para o coronavírus mostra uma história diferente na Suécia, pois vários hospitais no país retiraram o medicamento depois que alguns pacientes mostraram os efeitos colaterais após tomá-lo.

Researchers set up new labs to help fight coronavirus at the University of Minnesota

Médicos nos hospitais Vastra Gotaland (Suécia) decidiram retirar a cloroquina, pois alguns pacientes com coronavírus haviam mostrado efeitos colaterais do medicamento – incluíam cãibras, perda de visão periférica e enxaqueca.

Há também relatos dizendo que em 1 a 100 pessoas, a medicação contra a malária pode fazer com que o coração bata muito rápido ou devagar, levando a um ataque cardíaco fatal.

Não há evidências fortes do uso de cloroquina contra coronavírus

A cloroquina foi usada como tratamento contra a malária na década de 1940. Foi uma cura potencial para o COVID-19 “depois de ter sido promissor em estudos na China”. No entanto, a Grã-Bretanha impediu os médicos de distribuir o medicamento até a conclusão dos ensaios clínicos, citando preocupações sobre seus efeitos colaterais.

ANÚNCIO

Os principais médicos de cuidados intensivos do Reino Unido, o professor Anthony Gordon, disseram na quarta-feira, 8 de abril, que “ainda não há evidências fortes de que o medicamento possa tratar o coronavírus”.

Não está claro quais versões do cloroquina foram administradas a pacientes que apresentaram efeitos colaterais. O medicamento para a malária tem várias versões, e as estabelecidas são a cloroquina (CQ), com a marca Aralen, e a hidroxicloroquina (HCQ), conhecida como Plaquenil.

Segundo o Daily Mail, a hidroxicloroquina é “considerada menos tóxica” e pode causar apenas menos efeitos colaterais.

Fonte: techtimes.com

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo.

ANÚNCIO