China encontra nova onda de casos de coronavírus após iniciar reabertura do país

ANÚNCIO

Depois que a China reabriu o país devido a um número menor de casos positivos de coronavírus está sendo necessário repetir lentamente a mesma rotina de isolamento novamente.

Especialistas em saúde relataram novos grupos de casos de COVID-19 no primeiro epicentro de vírus da China, Wuhan. Outra cidade chinesa chamada Shulan, na província de Jilin, que fica perto da Rússia e da Coréia do Norte, também registrou novos casos.

ANÚNCIO

Além da China, Coréia do Sul e Alemanha, que também diminuíram as restrições, apresentaram casos eram positivos novamente. O que isto significa?

COVID-19 Update: China Finds New Wave of Coronavirus Cases After Easing Lockdown

No domingo, 10 de maio, as autoridades chinesas relataram novos casos encontrados no antigo epicentro do vírus e de onde ele se originou, na província de Wuhan.

Desde 11 de março, cinco casos foram incluídos no relatório, tornando-se o maior número de novos casos após um bloqueio na China até agora. Todos os casos disseram estar vivendo no mesmo complexo.

ANÚNCIO

Uma das vítimas foi identificada como a esposa do homem de 89 anos que adquiriu a primeira doença. Todos os casos foram considerados transmissões locais, mas todos assintomáticos – o que significa que nenhum sintoma foi mostrado em seus corpos.

Infelizmente, desde que a China facilitou o bloqueio em 8 de abril, as autoridades ainda monitoram centenas de casos assintomáticos na província.

COVID-19 Update: China Finds New Wave of Coronavirus Cases After Easing Lockdown

Não apenas Wuhan foi infectada novamente pelo vírus, como uma cidade chinesa chamada Shulan, próxima às fronteiras da Rússia e da Coréia do Norte, também registrou novos grupos.

No mesmo dia, Shulan foi reclassificado pelo governo como ‘alto risco‘ depois de registrar mais 12 novos casos. Isso inclui uma mulher de 28 anos, um homem de 45 anos e um homem de 56 anos.

Todos os casos foram transmitidos localmente, mas as autoridades ainda investigam como isso aconteceu. Uma das investigações é uma mulher de 45 anos que não tem histórico residencial ou de viagens fora da província e nenhum histórico de contato conhecido com pessoas que retornam de províncias estrangeiras ou importantes.

Uma conta do WeChat também mostrou que, nas últimas semanas de abril, muitos residentes de Shulan voltaram para a China a partir da fronteira com a Rússia.

Novos casos na China despertam preocupação

Obviamente, ninguém está feliz com essa reinfecção. Na conta de mídia social do país, os cidadãos disseram que os casos adicionais eram terríveis.

“Antes [agora] quase não havia transferências do diagnóstico assintomático para o confirmado na província de Hubei”, escreveu um morador. “O governo deve responder às preocupações sociais em tempo hábil”.

“Não é fácil desacelerar”, escreveu outro. “Eu me senti um pouco relaxado, e agora começa de novo, e estou começando a entrar em pânico novamente. Vamos lá, Wuhan.”

Coréia do Sul e Alemanha também se re-infectaram após bloqueio

A China não é a única preocupada com a reinfecção. Outros países que também facilitam o bloqueio, como Coréia do Sul e Alemanha, também detectaram novos casos – dizendo que a segunda onda do vírus está chegando.

O presidente sul-coreano Moon Jae-in disse que “nunca devemos baixar nossa guarda em relação à prevenção de epidemias” depois de encontrar as notícias. “Não acabou até acabar.”

O Centro Alemão de Controle de Doenças, o Instituto Robert Koch (RKI), disse que ainda não tem certeza das re-infecções, mas o aumento na taxa de reprodução “torna necessário observar o desenvolvimento de perto nos próximos dias”.

Isso significa que não podemos escapar da doença?

Fonte: Tech Times

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo.

ANÚNCIO