Stéphane Bourgoin, especialista em assassinos em série admite ter mentido sobre alguns fatos da sua vida

Detetives on-line levaram um aclamado especialista francês (Stéphane Bourgoin) em serial killers a admitir que ele inventou muito do seu passado, inclusive alegando que sua esposa havia sido assassinada e que ele havia treinado com o FBI.

Ao longo de uma carreira de três décadas, Stéphane Bourgoin afirmou que entrevistou mais de 70 assassinos, passou por treinamento especializado na base da Virgínia do FBI e sofreu a perda de uma esposa assassinada, “Eileen”.

No entanto, em abril, uma investigação digital da coletiva anônima 4ème Oeil Corporation (4th Eye Corporation) alegou que grande parte da suposta experiência de Bourgoin era, de fato, o trabalho de uma mentira em série.

Stéphane Bourgoin, especialista em assassinos em série admite ter mentido sobre alguns fatos da sua vida

Bourgoin se descreveu como mitomaníaco

Agora Bourgoin deu duas entrevistas com publicações francesas, revelando a verdade e se descrevendo como um “mitomaníaco” – um mentiroso compulsivo.

“Eu admito completamente minhas falhas. Tenho vergonha de ter mentido, de ter escondido coisas ”, disse ele.

ANÚNCIO

Uma das confissões mais chocantes de Bourgoin é que a história que ele contou sobre sua entrada na criminologia era completamente fictícia.

O especialista mentiu sobre a morte da esposa em várias entrevistas

O autor – que escreveu mais de 40 livros – há muito tempo dizia que o estupro e assassinato de sua esposa “Eileen” na Califórnia foram responsáveis ​​por levá-lo a estudar assassinos e sua metodologia.

Bourgoin citou o assassinato de Eileen em quase todas as entrevistas que deu, muitas vezes acrescentando que ele havia descoberto o corpo dela “cortado em pedaços” e que o assassino estava no corredor da morte.

Agora ele diz que a morte de Eileen foi modelada no destino de Susan Bickrest, vítima do serial killer Gerald Stano, assassinada em 1975.

Bourgoin diz que conheceu o Bickrest algumas vezes em Daytona Beach antes de ela ser morta.

Em sua entrevista ao Le Parisien, Bourgoin revelou “Eu não queria que as pessoas soubessem a verdadeira identidade de alguém que não era meu parceiro, mas alguém que eu conheci cinco ou seis vezes em Daytona Beach e de quem eu gostava”.

Outras alegações que Bourgoin disse serem falsas incluem ser um jogador de futebol profissional, conhecer Charles Manson e descobrir restos humanos ao lado de detetives.

Valeu a pena? Não, ele diz.

“Todas essas mentiras são absolutamente ridículas, porque se objetivamente fizermos um balanço do meu trabalho, acho que já bastava”, disse ele.

Mas ele se sente mais leve agora.

“É bom dizer a verdade, falar finalmente … “

Bem, desde que o mentiroso em série que arma a morte violenta de uma mulher para se dar legitimidade esteja feliz!

Fonte: Indy 100

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo.

ANÚNCIO