Kanye West lança fundo da faculdade para a filha de George Floyd e revela U$ 2 milhões em doações adicionais

ANÚNCIO

Kanye West attends "The Cher Show"

Já se passaram quase dez dias desde a morte de George Floyd, em 25 de maio, pelas mãos de um policial de Minneapolis. Durante esse período, protestos maciços contra a violência policial ocorreram em todo o país.

ANÚNCIO

Mas enquanto dezenas de milhares foram às ruas para expressar sua raiva do racismo sistêmico que assolou os Estados Unidos, o vocalista Kanye West ficou surpreendentemente quieto.

Doação de Kanye West para a filha de FLoyd

Hoje, o rapper revelou através de um representante que doou U$ 2 milhões até agora para instituições de caridade associadas a Ahmaud Arbery, Breonna Taylor e George Floyd e criou um fundo de faculdade para cobrir as mensalidades da filha de 6 anos de idade de Floyd, Gianna.

Além disso, o rapper prometeu cobrir os custos legais para as famílias Arbery e Taylor. E em sua cidade natal, Chicago, ele também ajudará empresas de propriedade negra com contribuições financeiras.

ANÚNCIO

Logo após o anúncio, West se juntou aos manifestantes para marchar no lado sul de Chicago.

História de George Floyd

Junto com o ex-oficial Derek Chauvin, que foi acusado pelo procurador-geral de Minnesota Keith Ellison por assassinato em segundo grau, além da acusação de assassinato em terceiro grau arquivada na semana passada, os policiais Tou Thao, Thomas Lane e J. Alexander Kueng foram acusados na quarta-feira, ajudando e incentivando o assassinato em segundo grau.

Ellison disse em uma entrevista coletiva na quarta-feira: “George Floyd importava. Ele era amado. A família dele era importante. A vida dele tinha valor, e buscaremos justiça para ele e para você, e a encontraremos.”

Floyd morreu após ser imobilizado pelo pescoço por quase nove minutos durante uma prisão.

Thao foi visto em vídeo assistindo Chauvin segurando Floyd no chão com o joelho. Floyd foi visto reclamando que não conseguia respirar, e os espectadores pediram aos policiais que o ajudassem, sem sucesso.

O escritório do examinador médico do condado de Hennepin considerou a morte um homicídio, embora diferisse de uma autópsia independente realizada em nome da família Floyd em sua conclusão sobre a causa exata da morte.

A autópsia da família concluiu que Floyd morreu de asfixia, enquanto o relatório do médico legista indicava que era o resultado da restrição policial em combinação com condições médicas e intoxicação subjacentes.

Todos os quatro policiais foram demitidos logo após a prisão.

O escritório do procurador-geral de Minnesota assumiu o caso no domingo, após um pedido da família Floyd de que o escritório do procurador do condado de Hennepin seja dispensado da responsabilidade pelo caso. Alguns se queixaram de que o Ministério Público local demorou demais para prender e acusar Chauvin, dando energia aos protestos em Minneapolis.

Fonte: Variety

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo.

ANÚNCIO