Golfinhos mortos aparecem nas Ilhas Maurício após derramamento de petroleiro japonês

ANÚNCIO
Dead Dolphins Wash Up In Mauritius After Japanese Oil Tanker Spill
Foto: Reprodução/Internet

Vários golfinhos mortos apareceram na costa das Ilhas Maurício depois que milhares de galões de óleo foram derramados no mar quando um navio japonês encalhou no mês passado.

Pelo menos 14 mamíferos marinhos foram encontrados mortos na costa, junto com outros golfinhos-Electra que estão presos na costa e que supostamente estão gravemente doentes.

ANÚNCIO

Greenpeace investiga navio japonês

Isso aconteceu depois que o navio japonês MV Wakashio encalhou em um recife de coral em 25 de julho, levando o grupo ambientalista Greenpeace a pedir uma investigação sobre o incidente.

O consultor ambiental de Maurício, Sunil Dowarkasing, disse: “Este é um dia terrível. Estamos vendo esses golfinhos nadando em perigo até a costa e depois morrendo.

“Nunca vimos mortes desses mamíferos marinhos muito inteligentes desse jeito. Nunca.”

ANÚNCIO
Credit: LAURA MOROSOLI/EPA-EFE/Shutterstock
Foto: reprodução/internet

A causa da morte dos golfinhos

Assim como aqueles que foram parar na costa, outros golfinhos também morreram no mar. Testes serão realizados para determinar como aqueles que foram parar na terra realmente morreram, confirmou Dowarkasing.

Ele disse à Associated Press: “Acho que há duas possibilidades: ou eles morreram por causa de toneladas de combustível derramadas no mar ou foram envenenados por materiais tóxicos na proa do navio que foi afundado no mar.

“Estamos preocupados com isso. O derramamento de óleo e o naufrágio da proa estão arruinando o que antes era a área mais bem preservada de nossa ilha.”

Credit: LAURA MOROSOLI/EPA-EFE/Shutterstock
Foto: reprodução/internet

O navio graneleiro japonês foi espancado pelos mares durante dias depois de encalhar,  o casco rachou e começou a vazar combustível nas águas circundantes em 6 de agosto.

O vazamento enviou muito óleo para a Lagoa Mahebourg, que contaminou uma área protegida de pântanos, uma área de manguezal e uma pequena ilha que é um santuário de vida selvagem e pássaros.

Depois disso, o navio se partiu em duas partes e a proa – que era a menor das duas – foi rebocada para o mar por outra embarcação, onde foi afundada.

O capitão do navio e o primeiro oficial foram acusados ​​de “colocar em perigo a navegação segura”. Ainda não se sabe por que o navio estava tão longe do curso quando atingiu o recife.

Leia também: Fotógrafo captura imagens incríveis de baleia jubarte branca

Credit: Eshan Juman/Greenpeace Africa HANDOUT/EPA-EFE/Shutterstock
Foto: Reprodução/internet

Efeitos a longo prazo

Happy Khambule, gerente sênior da campanha climática e energética do Greenpeace África, disse: “Este é um dia profundamente triste e alarmante para o povo de Maurício e para sua biodiversidade singular.”

Os efeitos de longo prazo do derramamento ainda não podem ser totalmente conhecidos, mas provavelmente afetarão as baleias, tartarugas e pássaros da área, e grande parte de sua vida marinha.

O Greenpeace África assinou uma carta ao governo, junto com seus homólogos japoneses e a organização mauriciana de direitos humanos Dis Moi, pedindo transparência e responsabilidade no manejo da crise.

O coordenador do Dis Moi, Vijay Naraidoo, disse: “O oceano faz parte de quem somos. Todo o país, incluindo as comunidades costeiras, depende da sua saúde.”

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo

Fonte: Lad Bible

ANÚNCIO