Como as máscaras se tornam o novo normal – por que alguns foram demonizados por usá-las antes?

ANÚNCIO
Uso de máscaras passa a ser obrigatório em Varginha, a partir de ...

Em todo o mundo, máscaras e revestimentos de rosto estão se tornando obrigatórios para uso em espaços públicos.

Embora as evidências sobre sua eficácia contra o Covid-19 possam ser variadas, os pesquisadores descobriram que se 60% da população usar uma máscara pode reduzir significativamente a taxa de transmissão.

ANÚNCIO

Mas para alguns grupos, cobrir o rosto pode ser mais do que apenas uma medida de saúde pública – pode ser uma maneira pela qual eles estão sujeitos a escrutínio ou foram demonizados como uma ameaça à segurança pública.

Em algumas partes da Europa, a proibição de revestimentos faciais tem sido objeto de intenso debate sobre a liberdade religiosa e os direitos dos indivíduos. A proibição de revestimentos para o rosto tomou a forma de proibir revestimentos religiosos – como ‘roupas islâmicas’ como o niqab, usado por algumas mulheres muçulmanas. Os Niqabs costumam cobrir toda a face, deixando um espaço para os olhos ou a boca.

Máscaras islâmicas são proibidas em alguns países

A França foi o primeiro país da Europa a aprovar uma lei que proíbe esses revestimentos faciais em 2011 – enquanto estados nos EUA e em outros países proíbem máscaras e revestimentos faciais, essas geralmente são medidas anticrimemas (por exemplo, para evitar pessoas usando máscaras em protestos).

ANÚNCIO

Depois que a França aprovou essa proibição, Áustria, Bélgica, Holanda, Bulgária e Dinamarca seguiram o exemplo.

A mulher no islã – BrasileirasPeloMundo.com

Estranhamente, o governo francês confirmou que, embora as máscaras se tornem obrigatórias a partir da próxima semana, as mulheres que cobrem seus rostos com coberturas de rosto como resultado de sua religião ainda serão multadas e punidas.

A violação dessa proibição pode levar a uma multa de até 150 euros, bem como à exigência de fazer uma aula de ‘cidadania’ francesa. O governo também confirmou que as máscaras devem ser removidas para verificação de identidade e que a proibição permite uma isenção por razões de saúde pública.

Kenneth Roth, diretor da Human Rights Watch, twittou para perguntar se a islamofobia poderia ser mais transparente nessas regras.

Em um artigo para o jornal I, Mariam Khan também notou o que ela percebe como uma hipocrisia flagrante, escrevendo:

Tudo bem se toda a população francesa estiver cobrindo o rosto agora, desde que faça isso pela França e não pelo Islã.

Quebec, uma província do Canadá, aprovou uma lei que proíbe coberturas de rostos religiosos em 2017.
E o ex-primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harper, disse que eles eram iliberais e uma maneira de controlar as mulheres.

Em alguns lugares, a proibição de revestimentos religiosos pode não interferir com novas ordenações sobre máscaras.

Na Holanda, as forças policiais locais e os trabalhadores dos transportes indicaram que não o estariam aplicando, e o prefeito de Amsterdã expressou consternação por ter sido alguma lei.

Mas mesmo antes de as máscaras se tornarem obrigatórias, algumas populações que queriam tomar precauções extras foram vistas com mais suspeita. Desde o início da pandemia, homens negros que usavam máscaras caseiras disseram que isso os tornava alvo de escrutínio.

Incidentes raciais

Muitos temem que o uso de máscaras os exponha a perfis raciais da polícia, pois muitos incidentes desse tipo já ocorreram. Falando à Time, Quentin Hoskins, que trabalha em um hospital, disse: “Vocês podem me imaginar entrando aqui com uma bandana no rosto?”

Outro incidente de Alton, no Illinois, ocorreu quando dois homens usando máscaras cirúrgicas foram parados pela polícia do lado de fora de um Walmart. Eles também foram informados de que uma lei os proibia de usar máscaras – quando essa lei não existe.

Esses incidentes são particularmente preocupantes, uma vez que dados antigos indicam que pessoas negras morrem a uma taxa mais alta do Covid-19 do que seus colegas brancos.

As pessoas apontaram que muitas pessoas brancas estavam protestando para acabar com o bloqueio – sem máscaras – e muito poucas foram presas.
Mas imagens perturbadoras que circulam em abril mostram a polícia de trânsito na Filadélfia puxando um homem negro de um ônibus por não usar máscara.

Uma das razões frequentemente apontadas para a proibição de revestimentos faciais é o fato de as pessoas sentirem que não podem confiar em alguém que não vêem. Mas em um ensaio para o NYTimes, Martha Nussbaum apontou que muitas profissões e pessoas diferentes cobrem o rosto parcialmente (ou totalmente) o tempo todo.

Se as máscaras e os revestimentos de rosto se tornarem mais comuns, torna-se uma maneira de mostrar que você se importa com as pessoas ao seu redor e que está impedindo a disseminação do Covid-19 das pequenas maneiras possíveis.

Isso é um ato de solidariedade de que nenhum grupo de pessoas deve ficar de fora.

Fonte: Indy 100

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo.

ANÚNCIO