Cientistas planejam show para ver como o coronavírus se espalha

ANÚNCIO

Os cientistas estão planejando fazer um show para ver como o coronavírus se espalha.

Pesquisadores na Alemanha estão procurando o serviço de 4.000 voluntários para participar do estudo em um evento indoor em Leipzig, em 22 de Agosto.

ANÚNCIO

Durante o show, que terá uma apresentação do cantor e compositor Tim Bendzko, os voluntários serão convidados a usar um pequeno marcador de contato em volta do pescoço, informa o The Guardian. Eles acionam sinais a cada cinco segundos, registrando dados sobre os movimentos da pessoa em relação aos outros.

Os cientistas estão procurando 4.000 pessoas para participar do estudo.  Crédito: PA

Técnicas a serem utilizadas

Os participantes do projeto Restart-19, de € 990.000, também terão que desinfetar suas mãos com um sanitizador fluorescente. Isso permitirá que os cientistas analisem como o vírus é transmitido por todo o local do show.

ANÚNCIO

Os vapores dispersos por uma máquina de neblina também ajudarão a demonstrar a possível propagação do coronavírus.

Os organizadores do estudo afirmam que o objetivo final é “identificar uma estrutura” para a forma como grandes espaços poderão, no futuro, reabrir e começar a funcionar novamente após 30 de Setembro “sem representar um perigo para a população”.

Possível descoberta da vacina

Isso ocorre após a vacina Covid-19 da Universidade de Oxford ser considerada “segura” e fornecer uma resposta do sistema imunológico, revelaram as pesquisas mais recentes.

“Os resultados preliminares do primeiro ensaio clínico em humanos apoiaram a progressão do desenvolvimento clínico para as fases 2 e 3 em andamento”.

Um cientista que trabalha na vacina contra o coronavírus na Universidade de Oxford.  Crédito: PA

Obviamente, esse não é um sinal verde para começar a imunizar toda a população do mundo, pois ainda há um longo caminho a percorrer antes desse estágio, mas os resultados foram descritos como ‘promissores’ e o desenvolvimento pode continuar progredindo em Rapidez.

A revista acrescentou: “Os autores dizem que mais estudos clínicos, inclusive em adultos mais velhos, devem ser realizados com esta vacina”.

O estudo, que incluiu 1.077 participantes, alertou que ainda há muita distância a ser percorrida.

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo

Fonte: Lad Bible

ANÚNCIO