Caçador de elefantes notório condenado a 30 anos de prisão em caso histórico

ANÚNCIO

Um homem apelidado de ‘açougueiro de Nouabale Ndokifoi condenado a 30 anos de prisão na África.

O famoso caçador furtivo de elefantes Mobanza Mobembo Gerard teve sua sentença de prisão decretada em um tribunal criminal na República do Congo.

ANÚNCIO

Ele foi condenado por tráfico de marfim de elefantes caçados, tentativa de assassinato de guardas florestais, posse de armas militares e outros crimes.

Homem terá que pagar indenização

Gerard também foi condenado a pagar indenização por danos de 38 milhões de francos centro-africanos (US $ 68.000 dólares) aos guardas florestais feridos.

É a pena mais longa aplicada a um caçador furtivo no país, com a máxima anterior de cinco anos devido a casos que muitas vezes acabam em tribunais civis.

ANÚNCIO

Crédito: PA

A Wildlife Conservation Society revelou que Gerard liderou expedições de caça na República do Congo e pode ser responsável pela morte de até 500 elefantes desde 2008.

Uma caça ao homem de três anos começou quando um tiroteio eclodiu entre Gerard e seus homens e guardas florestais no Parque Nacional Nouabalé-Ndoki. Vários guardas do parque ficaram feridos na confusão, mas felizmente todos sobreviveram.

Três dos homens do caçador furtivo foram capturados e eventualmente deram informações suficientes sobre seu paradeiro para que a polícia pudesse detê-lo.

Homem foi preso após fugir

Gerard conseguiu escapar em 2018, pouco antes de seu julgamento acontecer e uma nova caça ao homem ser deflagrada, que acabou culminando em sua prisão em Julho do ano passado.

A Wildlife Conservation Society elogiou a República do Congo por aplicar uma penalidade severa e eles esperam que isso envie uma mensagem para outros caçadores ilegais de que seu tempo acabou.

Crédito: PA

Dra. Emma Stokes, Diretora Regional da WCS da África Central, disse em um comunicado: “A sentença é o culminar de mais de três anos de trabalho da Unidade de Crimes de Vida Selvagem e Departamento Anti-caça furtiva do Parque Nacional de Nouabalé-Ndoki.

“É também o resultado de uma cooperação frutífera com várias autoridades congolesas, incluindo o Ministério da Economia Florestal, a Polícia e os promotores distritais. As investigações revelaram que Guyvanho liderou um grupo de aproximadamente 25 caçadores furtivos que, com base no número de caças relatadas, poderia ter matou mais de 500 elefantes na área desde 2008.

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo

Fonte:Lad Bible

 

ANÚNCIO