Cientistas do Reino Unido desenvolvem aviões movidos a amônia com emissões zero

ANÚNCIO

Cientistas da Reaction Engines, com sede em Oxford, e do Conselho de Instalações de Ciência e Tecnologia do Reino Unido estão pensando em substituir o querosene por amônia como combustível de aviação em resposta à campanha do governo britânico por emissões zero até 2050.

De acordo com o Daily Mail, a equipe está desenvolvendo uma tecnologia que permite que os aviões funcionem com amônia. Isso produziria zero emissões de gases de efeito estufa, como o dióxido de carbono, e apresenta menos risco de incêndio porque não queima facilmente por conta própria, ao contrário dos motores a querosene. Uma campanha recente no Reino Unido visa mitigar a mudança climática reduzindo suas emissões de carbono a zero líquido até 2050.

ANÚNCIO

Com este estudo, a amônia será misturada ao hidrogênio para queimar em uma câmara de combustão. Os cientistas sugerem o uso de um trocador de calor para aquecer o combustível em direção ao motor e, em seguida, o ‘reator de craqueamento’ segue para quebrar a amônia em hidrogênio e nitrogênio.

Outbreak of the coronavirus disease (COVID-19), in London

James Barth, da Reaction Engines, disse à MailOnline que esse combustível poderia limpar suas emissões. Uma vez que a mistura de combustível é inflamada para impulsionar o motor, ele deixará apenas nitrogênio, vapor de água e alguns óxidos de nitrogênio como produtos residuais, embora a adição de mais amônia possa eliminá-los.

ANÚNCIO

Aviões movidos à amônia para curtas distâncias

De acordo com o Dr. Barth, os aviões movidos a amônia são adequados para voos de curta distância, pois a amônia tem uma densidade de energia menor do que o querosene. No entanto, a amônia é comparável a outras soluções de aeronaves verdes, como a energia da bateria e o hidrogênio combustível altamente caro.

No entanto, a mudança para amônia pode ser feita gradualmente, fazendo pequenas adições aos motores a jato convencionais. Não há necessidade de as companhias aéreas mudarem suas frotas atuais, pois elas usam um combustível mais limpo.

Embora o querosene e a amônia custem quase o mesmo, a produção completamente verde de amônia será mais cara, pois atualmente é feita de gases naturais como o nitrogênio atmosférico e o metano.

O Dr. Barth acredita que “a amônia terá um custo competitivo com os combustíveis sintéticos”. Ele espera que coisas como impostos sobre o carbono no futuro possam compensar o custo. Também há possibilidades de tornar a amônia inteiramente renovável no futuro, simplesmente trocando o gás natural pela água eletrolisada.

A pandemia de corona vírus pressionou por energia mais limpa

Em uma entrevista ao Telegraph, o presidente-executivo da Reaction Engines, Mark Thomas, disse que ter um ambiente mais limpo durante o bloqueio do corona vírus poderia ajudar a promover “viagens ecológicas”.

Airplanes of the Scandinavian Airshow draw a heart in the sky, above the Turning Torso building, amid the spread of the coronavirus disease (COVID-19), in Malmo

“Vivemos sob um céu limpo nos últimos meses”, disse Thomas, acrescentando que isso estimula “um verdadeiro impulso tecnológico”.

De acordo com o New York Times, o bloqueio e a paralisação econômica trouxeram ar e meio ambiente mais limpos. A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica iniciou um experimento global em que pesquisadores voam a bordo de um pequeno avião para medir o dióxido de carbono de Boston a Washington.

O Dr. Saratch Guttikunda, diretor da organização Urban Emissions.info, sediada em Nova Delhi, descobriu que, em algumas cidades, os níveis de ozônio aumentaram conforme a poluição do escapamento e o tráfego de veículos diminuíram.

Enquanto isso, o cientista atmosférico e engenheiro químico da Georgia Tech, Sally Ng, observou que o estudo “é um experimento ambiental global gigante” sendo feito de uma forma muito controlada. De acordo com o químico atmosférico da NOAA Shobha Kondragunta, eles foram capazes de observar essas transformações em todo o mundo por um período mais longo. Kondragunta estuda poluentes de escapamento, como dióxido de nitrogênio e dióxido de enxofre, que produzem poluição nos pólos norte e sul.

Atualmente, a equipe do Dr. Barth busca financiamento para criar uma pequena área terrestre para demonstrar a possibilidade deste tipo de motor, bem como planejar a mudança do projeto dos trocadores de calor e do reator de craqueamento.

Fonte: Tech Times

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo

ANÚNCIO