Astrônomos descobrem segredos espaciais que podem resolver quebra-cabeça de Plutão e o buraco negro

ANÚNCIO

Os cientistas viram vários mistérios espaciais que poderiam resolver um enigma sobre Plutão e os buracos negros.

Space

ANÚNCIO

Pesquisadores descobriram evidências de que bilhões de anos atrás, o planeta anão pode ter tido um oceano. Os cientistas também descobriram um objeto astronômico não observado.

Plutão teve um oceano

Embora Plutão agora seja famoso por ser frígido, um novo estudo constata que pode ter começado como um mundo quente que se formou rápida e violentamente.

A pesquisa, publicada na Nature Geoscience, indica que Plutão pode não ter sido quente o suficiente quando foi formado, para permitir que a água líquida existisse em sua superfície.

ANÚNCIO

Os resultados sugerem que Plutão possui um oceano subterrâneo desde o início de sua vida, potencialmente melhorando suas chances de vida.

Pesquisas anteriores acreditavam que Plutão se originou de rochas frias e geladas agrupadas no distante Cinturão de Kuiper, o anel de objetos fora de Netuno.

Carver Bierson, cientista planetário da Universidade da Califórnia, Santa Cruz, observou que Plutão atualmente tem uma temperatura de superfície de cerca de 45 Kelvin (-380ºF ou -228ºC).

Bierson disse que Plutão teve uma formação rápida e violenta que aqueceu o interior o suficiente para formar um oceano aquático subterrâneo.

“Mesmo neste ambiente frio tão longe do Sol, todos esses mundos podem ter se formado rápido e quente, com oceanos líquidos”, disse Bierson em comunicado.

Na superfície de Plutão, os pesquisadores estudaram as chamadas “características extensionais”. A água se expande à medida que congela e, à medida que o interior de Plutão esfria, a superfície de Plutão se estende, criando estruturas identificáveis.

Os pesquisadores viram características extensionais na superfície gelada de Plutão – por exemplo, rachaduras em sua concha e um sistema enigmático de cordilheiras e vales – sugerem um começo quente para Plutão.

Se Plutão tivesse uma formação rápida e violenta, o calor das rochas que colidiam das quais Plutão coalescia teria desaparecido relativamente rápido. O movimento levaria ao rápido crescimento da concha gelada, gerando características extensionais no início da história de Plutão.

Sim, Plutão é um planeta, afirma chefe da NASA

Enigma do buraco negro

Os cientistas viram uma “entidade misteriosa” no espaço que poderia resolver um quebra-cabeça dos buracos negros. É mais massivo que as estrelas que entraram em colapso, conhecidas como “estrelas de nêutrons”, mas tem menos massa que os buracos negros.

Escrevendo na revista The Astrophysical Journal Letters, a equipe de pesquisa assume que o fenômeno provavelmente seria um buraco negro claro de todas as possibilidades, mas elas não descartam outras possibilidades.

Essas “estrelas negras de nêutrons” não eram consideradas prováveis ​​e significariam sugestões sobre como reinventar estrelas de nêutrons e buracos negros. A descoberta foi realizada nos EUA e na Itália por uma equipe internacional usando detectores de ondas gravitacionais.

Os pesquisadores foram incapazes de saber se as estrelas que estão morrendo deixam algo para trás, que está naquele vazio enigmático e por que encontrar qualquer entidade que esteja nele se mostrou difícil.

“Esperamos décadas para resolver esse mistério“, disse Vicky Kalogera, professor da Universidade Northwestern. “Não sabemos se esse objeto é a estrela de nêutrons mais pesada conhecida ou o buraco negro mais leve conhecido, mas, de qualquer forma, ele bate um recorde”.

Charlie Hoy, da Universidade de Cardiff, no Reino Unido, aluno envolvido no estudo, disse que a nova descoberta transformaria nossa compreensão. Ele disse à BBC News que eles não podiam descartar nenhuma possibilidade.

O objeto traz outras questões, além de ficar no meio da distância da massa. A enorme disparidade na massa do objeto e no buraco negro companheiro parece desafiar as teorias sobre como os buracos negros e as estrelas de nêutrons são formados.

A natureza dramática e devastadora do evento também significa que não há como os pesquisadores realmente verem qual era o objeto até que ele fosse destruído. Mas eles esperam fazer mais observações que, esperançosamente, encontrem mais objetos na brecha de massa e forneçam insights sobre como eles são formados.

Esse congelamento seria interrompido quando o calor da radioatividade se tornasse um fator significativo e continuasse à medida que os elementos radioativos se quebrassem, criando lentamente estruturas estendidas.

“Acho que a implicação mais emocionante é que os oceanos subterrâneos podem ter sido comuns entre os grandes objetos do Cinturão de Kuiper quando se formaram”, disse Bierson.

Tais observações indicam que, desde que se desenvolveram, Plutão e outros grandes planetas anões no Cinturão de Kuiper, como Eris, Makemake e Haumea, possuíam oceanos subterrâneos. Isso pode ter afetado o potencial de habitabilidade desses mundos gelados distantes, disseram os pesquisadores.

Fonte: Tech Times

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo.

ANÚNCIO