Apple e Google se unem para desenvolver rastreamento de contatos via Bluetooth

ANÚNCIO
Apple e Google se unem para desenvolver rastreamento de contatos via Bluetooth

Dois gigantes do Vale do Silício (Apple e Google) e alguns especialistas em saúde pública dizem que nossos smartphones podem nos ajudar a identificar – e isolar – as pessoas que foram expostas ao vírus, com ou sem sintomas, para quando a vida normal retornar ao término da pandemia.

Apple e Google estão deixando de lado sua rivalidade tradicional para se unir a um novo sistema de rastreamento de contatos, usando aplicativos.

ANÚNCIO

O rastreamento de contatos é o processo de rastrear as pessoas com quem os pacientes infectados interagiram e garantir que eles sejam testados ou entrem em quarentena.

Os profissionais de saúde pública devem fazer aos pacientes uma série de perguntas sobre onde eles foram e quem eles conheceram. Então, eles precisam encontrar essas pessoas. É um processo crítico, mas demorado.

O sistema que a Apple e o Google estão criando usa sinais Bluetooth para ajudar a identificar os contatos que o método tradicional pode perder.

ANÚNCIO

Os smartphones equipados com Bluetooth podem “emitir pequenos sons anônimos, pequenas mensagens que outros telefones podem ouvir”, disse Daniel Weitzner. Ele é um cientista pesquisador do MIT, que trabalha em um projeto semelhante de rastreamento de contatos.

Imagine duas pessoas, Alice e Bob, sentadas em um banco do parque. Seus telefones emitem sinais Bluetooth. Os telefones também registram os sinais que recebem.

Se Bob tiver o COVID-19, ele poderá se identificar como infectado em um aplicativo do departamento de saúde pública. O sistema usaria o registro desses sinais anônimos do Bluetooth para avisar qualquer pessoa cujo telefone se aproximasse dele nas últimas duas semanas – incluindo Alice. Ela saberia então que precisaria fazer o teste para o vírus.

O uso de smartphones dessa maneira não substitui o rastreamento tradicional de contatos, mas amplia seu alcance “porque você pode não se lembrar com quem estava no ônibus ou talvez não conheça essas pessoas”, disse Louise Ivers, diretora executiva da empresa. Centro de Saúde Geral do Massachusetts General Hospital. Ela está assessorando o projeto de Weitzner no MIT.

Também poderia liberar as autoridades de saúde pública para se concentrarem em pessoas que não possuem smartphones ou são particularmente vulneráveis.

A tecnologia não é à prova de falhas. Os sinais Bluetooth alcançam mais do que a distância que nos dizem para ficarmos separados. E para que o sistema seja eficaz, muitas pessoas precisam participar.

“Precisamos do efeito de rede para que todos possam ouvir todos esses sons”, disse Weitzner.

A Apple e o Google disseram que ainda não sabem quantas pessoas precisam participar para ver um impacto. Em Singapura, um milhão de pessoas baixou um aplicativo de rastreamento de contatos criado pelo governo. Mas Lawrence Wong, ministro nacional do Desenvolvimento, disse ao jornal Straits Times que 75% da população precisaria usar o aplicativo para torná-lo eficaz.

É por isso que a Apple e o Google estão trabalhando juntos para garantir que o sistema Bluetooth funcione em seus telefones. Cerca de 3 bilhões de pessoas em todo o mundo têm iPhone ou Android. Se muitos deles optarem, esse sistema pode fazer a diferença.

Mas convencer as pessoas a confiar nos gigantes da tecnologia com essa nova forma de vigilância é um desafio.

Apple e Google garantem a privacidade dos usuários

Os representantes da Apple e do Google enfatizaram que as mensagens Bluetooth não revelam quem as enviou ou de onde.

Weitzner disse que o conceito Bluetooth funciona identificando a proximidade, não a localização. “Não precisamos saber onde você estava perto de alguém, apenas que você estava perto de alguém”, disse ele.

Apple e Google também estão limitando seu sistema às agências de saúde pública. As empresas disseram que os governos não podem forçar as pessoas a ativar o rastreamento por Bluetooth.

Para proteger a privacidade, os sinais Bluetooth são números aleatórios que permanecem no seu telefone. Isso significa que nem a Apple ou o Google podem rastrear onde você esteve ou com quem entrou em contato.

Mesmo com essas precauções, algumas pessoas se preocupam com as implicações de lançar essa tecnologia.

Ashkan Soltani é um ex-tecnólogo-chefe da Federal Trade Commission.

“A preocupação é que, se começarmos a implantar políticas com base nessas informações”, afirmou. “Quer exijamos, por exemplo, que as pessoas usem esse aplicativo e forneçam … sua pontuação no aplicativo para, por exemplo, retornar ao trabalho ou usar o transporte público”.

Ele apontou para a China, onde as pessoas precisam mostrar seus resultados codificados por cores em um aplicativo para se movimentar em público. Verde significa que você é livre para seguir sua vida. Amarelo ou vermelho significa que você está preso em quarentena.

Apple e Google dizem que lançarão seu sistema no próximo mês.

Os democratas no Congresso já alertaram que manterão um olhar atento sobre como os gigantes da tecnologia lidam com a privacidade.

Fonte: NPR

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo.

ANÚNCIO