A problemática de chamar professores de heróis

A problemática de chamar professores de heróis

O governo americano anunciou recentemente planos de reabertura de escolas a partir de 1º de junho. O plano deles foi recebido com ceticismo por professores em relação à sua segurança, particularmente no que diz respeito às declarações de que as crianças pequenas teriam que “se distanciar socialmente”.

Os professores classificaram as propostas de “impraticáveis” e “não realistas”.

Os sindicatos de professores agora alertaram que os professores podem se recusar legalmente a voltar ao trabalho em 1º de junho, pois isso pode representar um risco significativo à saúde.

Mas houve uma contração de certos setores, tentando criar uma narrativa diferente na qual professores “magníficos” estão “desesperados” para voltar à sala de aula e “serem heróis”, com apenas “sindicatos militantes” em seu caminho (tentando garantir que eles tenham condições de trabalho seguras).

Professores não querem ser vistos como heróis, mas sim como professores

As metáforas da época da guerra são um terreno familiar durante esta pandemia: os hospitais do NHS passaram a ser a “linha de frente”, enquanto médicos e enfermeiros foram subitamente transformados em “heróis”, fazendo o “sacrifício final”.

ANÚNCIO

Já houve resistência a esse esforço específico, liderado pela retórica do governo.

Os críticos dizem que posiciona a morte de trabalhadores-chave como resultado inevitável de sua linha de trabalho e quase normaliza a situação. Um guia de saúde mental publicado recentemente no European Health Journal desaconselhou o uso dessa linguagem para descrever a equipe do NHS, explicando que isso poderia aumentar a tensão psicológica.

“Os termos ‘herói’ e ‘anjo’ que vemos em faixas também são altamente problemáticos porque fazem parecer que as pessoas se inscreveram para morrer, como um herói, mas não o fizeram ”, disse Esther Murray, uma colaborador do guia.

Também torna mais difícil para a equipe do NHS falar sobre como eles realmente se sentem porque as opiniões se polarizam – você é um herói ou um covarde?

Muitos funcionários se sentem covardes, mas não são de todo, apenas justamente assustados e com raiva.

Agora, a tentativa de aplicar retórica semelhante aos professores recebeu uma recepção preocupada de muitos que temem que sirva para colocar os professores em uma posição em que eles não possam defender seus direitos legais sem uma reação social.

O autor Matt Haig estava preocupado com a tentativa de retratar os sindicatos de professores como “militantes”.

Outros apontaram que sugerir que os professores seriam “heróis” por retornar à sala de aula implicava que isso representava um risco à sua saúde.

Houve uma análise mais aprofundada do poder linguístico dos “heróis”.


E houve uma comparação pontual da mudança nas mensagens…

Os próprios professores disseram que não queriam ser heróis – eles apenas queriam ser professores.

Lição do dia: a linguagem emotiva é extremamente poderosa. Cuidado com o uso.

Fonte: Indy 100

Traduzido e adaptado por equipe Ktudo.

ANÚNCIO